Mercado confunde mobilidade com Byod. Entenda a diferença

Home »  BYOD - Consumerização »  Mercado confunde mobilidade com Byod. Entenda a diferença

Incompreensão sobre o conceito pode gerar políticas de gestão de dispositivos inadequada, comprometendo a segurança e integridade das informações

por Vinícius Boemeke

Conduzimos entre o fim de 2014 e o começo de 2015 a pesquisa “Byod no Brasil: adoção, gestão e desafios na visão dos líderes de TI”, em parceria com a Integrare 360º – Marketing de Conteúdo. A ideia foi identificar como o mercado enxerga projetos de mobilidade e como lida com o movimento de Bring Your Own Device, ou traga seu próprio dispositivo, conforme a tradução literal para o português (a pesquisa está disponível no fim desse post)..

Além de descobrir diversos dados interessantes sobre a prática no Brasil, averiguamos que se confunde Byod com mobilidade, apesar de os termos serem conceitualmente diferentes. Fizemos uma pergunta para confirmar a existência da confusão: “qual modelo de Byod é/deve ser utilizado?”. Demos as seguintes possibilidades:

  • A empresa escolhe o modelo de smartphone/tablet de sua preferência e paga totalmente seu valor. O colaborador toma emprestado o dispositivo e deve devolvê-lo quando deixar a companhia
  • O funcionário traz seu dispositivo pessoal e o conecta à rede corporativa, desde que o aparelho atenda a especificações pré-determinadas de hardware/software
  • A empresa possui politicas de Byod, mas permite que qualquer dispositivo pessoal de funcionário seja conectado à rede corporativa, sem qualquer restrição quanto a modelo do aparelho
  • Não há política de Byod e a empresa permite que qualquer dispositivo pessoal de funcionário seja conectado à rede corporativa, sem qualquer restrição quanto a modelo do aparelho
  • A equipe de TI fornece um cardápio com alguns modelos de smartphones/tablets. O usuário escolhe o de sua preferência e a empresa arca com parte do valor do dispositivo. Quando deixa a companhia, o smartphone/tablet é levado pelo colaborador

A opção que recebeu o maior índice de respostas foi a primeira: “a empresa escolhe o modelo de smartphone/tablet de sua preferência e paga totalmente seu valor. O colaborador toma emprestado o dispositivo e deve devolvê-lo quando deixar a companhia”, com quase 40% de preferência. Só que isso não é Byod.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Quando falamos nos movimentos de consumerização e Bring Your Own Device, o cenário é mais colaborativo e tem a equipe como agente central  de transformação, já que é ela que pendura seus dispositivos pessoais na rede da organização e demanda resposta, gestão, garantia da segurança e integridade dos dados por parte do departamento de tecnologia da informação. Já mobilidade é centrada em tablets e smartphones fornecidos e geridos pela empresa a partir de modelos padronizados.

A diferença pode parecer insignificante, mas não é. O conceito adotado determina as políticas que deverão ser seguidas para garantir a segurança e integridade das informações, bem como a privacidade do usuário e melhores resultados do projeto. Apenas para citar alguns exemplos, se o dispositivo é do usuário e está inserido em uma política de Byod, por exemplo, é preciso que soluções façam a conteinerização dos dados corporativos, que devem estar totalmente separados e inacessíveis em relação aos pessoais. Também deve haver uma política sobre o reembolso da conta de telefone e os procedimentos a serem adotados em caso de perda ou roubo do aparelho.

Estamos ainda nos primeiros dias do Byod, então, confusões como essa são muito comuns. Com o tempo, a atividade vai se firmar dentro das empresas e suas regras ficarão mais claras.

Insira o seu email para baixar o arquvio Cartilha_BYOD.pdf

Nome: Email:

Saiba mais:

Byod no Brasil: os 2 principais desafios em mobilidade e como resolvê-los

Byod no Brasil: CIOs e consultores debatem sobre desafios e melhores práticas

Quase 70% das empresas no Brasil que possuem iniciativas de BYOD/Mobilidade planejam ampliar seus investimentos, aponta pesquisa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>